quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Febre

Não creio que essa fase dure muito tempo, mas o fato é que ando com uma vontade irresistível de ser uma mera dona de casa comum.

Nada de glamour, reuniões executivas, nem muito menos relógio de ponto. O discurso feminista me cansou faz tempo e, o que eu queria mesmo é o "luxo" de colocar um avental e praticar jardinagem, encher minha casa branca com flores coloridas, experimentar novas receitas e sujar a cozinha com farinha de trigo; sair no fim da tarde para contemplar o sol quando estivesse começando a se pôr, caminhando em direção a um mercadinho de onde traria frutas frescas para o suco do jantar.

Eu sei que sintomas são esses...Falta de férias, falta de casa, falta de referência de uma vida sem stress. Vou tomar um remedinho pra curar a febre e voltar para os meus relatórios, caso contrário perco e emprego e a casa por não pagar o aluguel, mas deixo algumas imagens para inspirar quem compartilha comigo da mesma doença.
Atenção: Capturei essas imagens navegando pela internet, não me lembro onde, mas se os donos se manifestarem eu dou os créditos de direito com prazer







2 comentários:

Pam disse...

Ai ai, vc conseguiu traduzir exatamente o que eu sintia, o que antes era intenso mas que ainda sinto hoje em uma proporção menor. Não menos intrigante... vidas ladeadas de reuniões importantes e sempre cheias de urgências, já deixei pra trás e sinceramente não gostaria de tê-la de volta. Queria sim... uma vida em uma casa colorida com uma cerca branca, jardim e um bom marido para esperar enquanto cuido do ninho. Sei que está vida é também cheia de detalhes que as vezes devem chatear, mas ainda assim gostaria de experimentá-la. Quem diria, voltamos, depois de tantos avanços, à aspirar viver como nossas avós.

Patricia Abreu disse...

Há pouco tempo me via imersa nesse sentimento febril também, era irremediável...
Quando descobri que a única solução era começar de novo,foi o que fiz !
Hoje, no meu novo emprego, minha qualidade de vida aumentou absurdamente... chego a nem lembrar como era antes...
Mas mesmo assim, acho que falta muito para ser ideal...
Engraçado..Quando temos muito sossego queremos um pouquinho de agitação e quando está tudo frenético, queremos tranquilidade...
Mas, talvez a graça de tudo, seja essa perseguição do momento ideal !

bjsss